A minha vida numa estante...

Sou uma pessoa organizada, não arrumada, mas no que diz respeito às minhas coisas, sei onde tenho tudo, onde está cada papel que me foi necessário ao longo dos anos.

Para que é que isso serve? Não sei...

Para lembrar não deve ser, não sou pessoa de voltar atrás no tempo...muito menos para ver papéis.

Mas tenho uma necessidade fora do normal de ter tudo arrumado e organizado ao pé de mim.

Tenho estado a arranjar um espaço onde o possa fazer...

Ontem terminei de arrumar tudo o que tinha em casa e cheguei à conclusão que o que reúni na minha vida se resume a uma estante e ainda sobra espaço vazio.

Tanto que comprei, que adquiri ao longo dos anos e agora vejo que não preciso de nada disso para ser feliz.

Na minha casa actual, quase não tenho nada e esse nada que não está lá também não me faz falta.

Que estupidez, passar tantos anos a achar que preciso de tantas coisas para me sentir bem, tanto dinheiro gasto, para concluir que de nada disso preciso nos meus dias para me sentir feliz...

No meu espaço, resta-me uma estante onde juntei o que de útil posso ter...

Livros, dossiers da Universidade (não vá a vida permitir que eu volte), um esboço dos meus projectos (não vá Deus achar que esse é o caminho).

De tanto andar, de tanto correr, de tanto querer...o que consegui foi ficar doente e descobrir-me num mundo de incertezas onde não me revejo nem me parece que faça muito sentido.

Todos os meus projectos, sonhos e desejos encontram-se em stand-by, à espera de melhores dias, à espera de ter um rumo ou de morrer de vez.

Hoje vi no facebook um PP de Fernando Pessoa que falava de cortar com o que já não faz sentido e seguir em frente para outro caminho...

Palavras sábias, talvez, mas como sabemos que novo caminho tomar? O que aprendemos nós com uma vida de tentativa e erro?

Será que basta perceber que todas as escolhas que fazemos na vida são as erradas? E o que fazemos com isso?

Escolhemos outra via? Qual? Uma qualquer? às tantas, passamos a achar que é indiferente, pois qq coisa que se faça não resulta, qq caminho é sem saída, qq coisa acaba por se revelar inútil...

Será que viver é isto? Será que se resume a uma estante com papéis que um dia serão obsoletos...se é que não o são já?

Será que viver é apenas o passar dos dias encadeados de acontecimentos dos outros que se vão cruzando no nosso caminho?

Alguma coisa tenho que estar a fazer mal...

Tenho que descobrir o quê para poder corrigir...não o que sou, mas sim o que faço!

Afinal as prateleiras da minha estante precisam de vida, de movimento, de saber que são úteis para alguma coisa, que servem, que têm um papel importante na minha vida...seja ela qual for!

 

publicado por Viver Alentejo às 11:19 | favorito